Compra segura •

Produtos testados e aprovados pela curadoria •

Troca gratuita

3 maneiras de manter a cauda do seu cavalo

3 maneiras de manter a cauda do seu cavalo

“Antes sobrar do que faltar” é um velho ditado que cai bem quando se fala da beleza da cauda (ou cola, ou rabo) de um cavalo. Independente de raça, amamos ver nossos animais com o pelo brilhando, e os fios da cola fortes, longos e saudáveis.
 
Nas modalidades western de alta performance, é costume manter a cauda amarrada de forma que fique longe do chão durante os treinos, para evitar o contato com materiais que possam comprometer a saúde dos fios, e também para mantê-los protegidos de quebraduras e outros danos físicos. Na hora do show, são soltas e exibidas com orgulho!
 
Vamos mostrar aqui 3 formas de manter a cauda do seu animal “pra cima” e que devem seu adotadas de acordo com o seu manejo. Importante ressaltar que TODAS as sugestões requerem lavagem idealmente semanal, ou no máximo a cada 10 dias, mantendo a raiz sempre limpa e livre de resíduos.
 
  1. Trança tradicional. A trança simples de 3 é a forma mais comum de manter a cauda presa. O simples ato de trançar já coloca a cauda pelo menos 1 palmo longe do chão, e ajuda a evitar que os fios fiquem quebradiços. Porém, não protege do contato com a areia da pista, serragem, esterco, etc. A única não indicação para as tranças são nos casos em que se usam baldes de água dentro da baia, pois a trança pode enroscar na alça do balde (dependendo do modelo).
  2. Meia. Ou outro protetor específico. É feita uma trança normal, dobrada em 2 ou 3, passando a ponta por dentro do início da trança (abaixo da raiz). Essa trança dobrada é amarrada com um elástico, e aí vestida com uma meia ou protetor. Esse protetor não só mantém a cauda longe do chão, evitando o desgaste dos fios, como também mantem mais limpo. O maior cuidado que se deve ter nesse caso é amarrar o protetor abaixo do osso.
  3. Nós. Outra forma de manter os fios longe do chão é fazer nozinhos na cauda toda. Pega-se um maço de fios de 1 polegada, aproximadamente, e faz-se um nó em formato de 8. Esse nó então é revestido com uma atadura ou bandagem elástica, que tem a vantagem de ser bem flexível, amoldável, auto-aderente e porosa. A desvantagem dessa técnica é que apenas os nós ficam protegidos, e o restante dos fios ficam expostos. Também é preciso cuidado para  que os nós sejam amarrados abaixo do osso.
 
E lembre-se: para manter a cauda amarrada, em qualquer dos casos, é preciso ter rotina de cuidados. A falta de manutenção e higiene pode causar mais estragos que benefícios. Na dúvida, pergunte pra gente, ou deixe solto. ;-)
Karol Rodrigues - Produtora de Conteúdo Woody