Compra segura •

Produtos testados e aprovados pela curadoria •

Troca gratuita

Pelagens do Quarto de Milha e Crioulo

Pelagens do Quarto de Milha e Crioulo

Cada raça possui seu padrão físico que a define e diferencia das demais. Por sua vez, as associações de raça são as entidades responsáveis por regulamentar, administrar e arquivar o registro genealógico dos animais. 
 
Para ser registrado, o animal deve ser vistoriado pessoalmente por um inspetor oficial credenciado pela associação, que verificará se ele atende a todos os requisitos técnicos exigidos pelo regulamento e descreverá na resenha do animal todas as suas características, como redemoinhos, marcas e sinais, e claro, a pelagem. 
 
A pelagem consiste na caraterística fenotípica mais evidente de um cavalo, é a sua “cor” e a sua primeira impressão. De acordo com o regulamento da Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM), as pelagens possíveis são: alazã, alazã tostada, baia, baia amarilha ou palomina, castanha, rosilha, tordilha, lobuna, preta e zaina, não sendo admitidos animais pampas, pintados e brancos, em todas as suas variedades. Já a Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Crioulo (ABCCC) admite uma infinidade de pelagens, incluindo variações do mesmo pigmento, com exceção da pintada e albina total.
 
As ilustrações abaixo mostram os exemplos de pelagens possíveis em cada associação. Curiosamente, algumas pelagens são visualmente iguais, uma vez que determinadas por genes responsáveis pelo mesmo pigmento. Porém, elas podem ter diferentes nomes.
 
Por exemplo, enquanto um animal pode ser chamado de “alazão” na ABQM, na ABCCC ele será “tostado”. Da mesma forma, o “castanho” na ABQM será “colorado” na ABCCC. O “baio” na ABQM será “gateado” na ABCCC.
 
Algumas pelagens, no entanto, têm uma definição mais universal que vai além das pelagens, por isso acabam tendo o mesmo nome, como o animal “preto”, o “tordilho” e o “rosilho”.
 
É muito comum o potro nascer aparentando uma pelagem, e ao longo do tempo acabar mudando de cor ou de tonalidade. Por isso, em caso de dúvidas sobre a pelagem do seu animal, consulte sempre um inspetor credenciado pela associação para verificar se a pelagem do registro corresponde de fato ao animal.
Karol Rodrigues - Produtora de Conteúdo Woody